PRODUÇÕES

 

Livros e catálogos

Acesso no repositório:

"Arte que inventa afetos" - org. Deisimer Gorczevski

Fortaleza: Imprensa Universitária - UFC, 2015. 376 p. (Estudos da pós-graduação).

 

RESUMO: Arte que Inventa Afetos é uma escrita-livro que propõe dar atenção aos processos inventivos e ao que pode a arte como resistência. Resistir, neste caso, é entendido como ato de criar mais perguntas que respostas, provocar encontros no entre das linhas que insistem em separar a cidade e a universidade, mobilizando afetos potentes, inventando outros mundos e afirmando a estética, a ética e a política da diferença. A escrita-livro reúne pesquisadores nas áreas de artes – em especial cinema e audiovisual, dança, artes visuais e teatro –, filosofia, comunicação, psicologia social, antropologia, urbanismo, educação, letras, história, sociologia, mídias digitais, relações internacionais e de políticas públicas. Estabelece-se, portanto, um encontro entre diferentes processos de criação e produção de conhecimento. É um encontro entre pesquisadores, artistas e não artistas, que vivem em diferentes cidades do Brasil, atuando em Universidades, ONG’s, Associação de Moradores e Coletivos autônomos. Aqui se encontra um exercício de escrita que deseja atravessar fronteiras – geográficas e institucionais – e, em especial, apontar caminhos transdisciplinares.

“Cinema que Inventa o Bairro” - Org. Deisimer Gorczevski, Maria Fabiola Gomes, Sabrina Araújo, Pedro Fernandes

1 ed. Fortaleza. Imprensa Universitária, 2019, v.1

RESUMO: Ao acompanhar processos inventivos entre o pesquisar e intervir e a experiência estética e política do encontro com moradores, no bairro Serviluz, interessou analisar as ações do Cine Ser Ver Luz e os modos de ocupar as ruas, praças, o Farol do Mucuripe e as associações, cartografando as intervenções audiovisuais que problematizam as relações entre arte e vida cotidiana e as constantes ameaças das políticas de remoção, nessa região de Zona Especial de Interesse Social – ZEIS, em Fortaleza (CE). Um Livro Catálogo que apresentará o trabalho do Coletivo AudioVisual do Titanzinho, da Associação de Moradores do Titanzinho e dos Coletivos aliados no bairro: Núcleo de Base do Serviluz, Instituto Três Mares – Projeto de Vida, Servilost, Grupo de Teatro Dito e Feiro e Banda Éter Na Mente com o apoio do Edital de Cinema e Vídeo da Secult-CE (2015), da pesquisa Cinema In(ter)venção: Cine Ser Ver Luz amparada no Laboratório Artes e Micropolíticas Urbanas (LAMUR |UFC), vinculada ao Programa de Pós Graduação em Artes (PPGArtes), no Instituto de Cultura e Arte.

Acesso no repositório:

“Nossas Ruas Com Cinema: Cine Ser Ver Luz” - Org. Deisimer Gorczevski, Maria Fabiola Gomes, Sabrina Araújo, Pedro Fernandes, Priscilla Souza e Gerardo Barcelos

1 ed. Fortaleza. Imprensa Universitária, 2019, v.1 

RESUMO: Apresentamos o Coletivo AudioVisual do Titanzinho e a Associação de Moradores do bairro, trazendo um pouco das pesquisas e intervenções realizadas com o LAMUR|UFC, um exercício de conversa do Cinema com as Ruas e um conjunto de imagens e escritas de convidados!

Acesso no repositório:

 

Capítulos de Livro

“O vídeo como dispositivo na pesquisa in(ter)venção com juventudes” Deisimer Gorczevski e Nair Iracema Silveira dos Santos

Livro:
Panorâmica da investigação em comunicação no Brasil: processos receptivos, cidadania, dimensão digital. Alberto Efendy Maldonado Gómez de la Torre (Org.). 1ed. Salamanca - Espanha: Comunicación Social - Ediciones y Publicaciones, 2014, v. 1, p. 137-159

Clique neste ícone para acessar e/ou baixar o PDF: 

“Imagens de si e do mundo incidindo e fazendo emergir composições singulares e coletivas” - Deisimer Gorczevski e Sabrina Késsia de Araújo Soares

Livro:
Arte jovem: redesenhando fronteiras da produção artística e cultural. Maria Isabel Mendes de Almeida; Fernanda Deborah Barbosa Lima. (Orgs.). 1ed. Rio de Janeiro: Gramma editora, 2014, v. 2, p. 7-36.

Clique neste ícone para acessar e/ou baixar o PDF: 

“Sobre poéticas políticas - micro intervenções na cidade de Fortaleza”- Deisimer Gorczevki, Aline Albuquerque, Sabrina Araújo e Cecília Shiki. In: IV Diálogos Internacionais em Artes Visuais. I Encontro Regionl da Anpap/NE. Arte e Política.

Resumo: Propomos um encontro entre arte e micropolítica e os processos de criação, especialmente, as intervenções visuais urbanas e coletivas. Um encontro que problematize a arte como experiência estética e política de resistência que acontece em espaços não ­convencionais, envolvendo artistas e não artistas. Considerando a relação, os impasses e questões contemporâneas, toma­-se a diversidade de conceitos – intervenção, resistência, espaço- tempo, público, particularmente,

em suas capacidades de produzirem diferença e singularidades. A pesquisa intervenção e a cartografia instigaram a realização das experiências estéticas – Basquianas n. 1 e Oficina de Lambe – que se desdobraram em micro intervenções colaborando com a análise da relação entre pesquisar e intervir como potência que nos impele a ativar sensíveis conexões entre arte e política.

Palavras-chaves: Arte; Experiência Estética; Micropolítica; Intervenção; Resistência.

Clique neste ícone para acessar e/ou baixar o PDF: 

 

Periódicos

"Artes de Intervenção, Inventar Cidades" - Deisimer Gorczevski, Aline Mourão Albuquerque, João Miguel Diógenes de Araújo Lima

 

Resumo: Habitamos a cidade que nos habita, atravessamos a cidade que nos atravessa. Com interesse sobretudo na resistência pelos afetos e nas micropolíticas acionadas pelo desejo e pelo que nos faz querer viver, partimos em pesquisa-expedição, no encontro da arte contemporânea com a cartografia. Como pesquisar e intervir pode ativar experiências estéticas, com diferentes espaços-tempos da cidade e da universidade? Esta questão norteia as ações realizadas pelo Laboratório Artes e Micropolíticas Urbanas (LAMUR), entre elas: ConversAções na Praia do Vizinho e Micropolítica e Revolução, apresentadas neste trabalho. Movimentar as artes e a universidade com o cotidiano urbano demanda a invenção de modos de fazer-saber. As questões da cidade instigam conversas e encontros com as ruas; revolução, utopia e heterotopias transbordam em imagens que tomam corpo em projeções audiovisuais colaborativas, lambe, fotografia e colagens. As artes de intervenção entrelaçam-se com modos de viver e conviver, impulsionando a potência de processos coletivos e singulares em resistir e inventar cidades. 

Palavras-chave: Arte contemporânea. Cidade. Micropolíticas. Invenção. Cartografia.

Clique neste ícone para acessar e/ou baixar o PDF: 

“ConversAções: encontros entre as artes, a cidade e a universidade” - Deisimer Gorczevski e João Miguel Diógenes de Araújo Lima 

Resumo: Nesta escrita propomos pensar o campo das artes e seus territórios sensíveis, desdobrando-o a seus limites, trazendo à tona palavras- ideias como micropolíticas e conversações, que operam na perspectiva de inventar caminhos inter e transdisciplinares com a universidade e as ruas de nossas cidades. Em meio a tais possibilidades, trazemos ConversAções, um convite ao encontro às intensidades, que tomam corpo e inventam afetos. A universidade que experimentamos tem se lançado na

aventura de conversar com as artes e os agenciamentos que criam encontros e vizinhanças, de modo a impulsionar os fluxos de saberes e fazeres no sentido de tecer entre Univer|Cidade. Palavras-chave: Conversar. Cidade. Universidade. Transdisciplinaridade. Micropolítica.

Clique neste ícone para acessar e/ou baixar o PDF: 

“Cinemas em vento” - Nataska Conrado Veiga Braga. Revista Pirilampo, Fortaleza, v. 1, n. 0, 2017. p.11-13. 

Clique neste ícone para acessar e/ou baixar o PDF: 

"Brasil - Fortaleza - Ceará - Bairro Vicente Pinzón (2013 -...)", de Aline Albuquerque, integrante do LAMUR. Suas fotografias estão na capa da revista e abrem cada um dos textos que compõem o número dedicado às "Artes e Micropolíticas". 

Clique neste ícone para acessar e/ou baixar o PDF: 

“CINEMA IN(TER)VENÇÃO: CINE SER VER LUZ”

- Rafael Carneiro Brasileiro e Deisimer Gorczevski

Resumo: A pesquisa Cinema In(ter)venções tem como objetivo acompanhar processos inventivos entre o pesquisar e o intervir com o bairro Serviluz, localizado na orla de Fortaleza, na realização de sessões do cineclube Cine Ser Ver Luz, além de incentivar a formação e realização de outros cineclubes, entendendo, durante o processo, as intervenções artísticas audiovisuais como possibilidades de produção de subjetividade e políticas de resistência, considerando o contexto das políticas de remoção que o bairro vem lidando, mesmo configurando uma Zona Especial de Interesse Social (ZEIS), além de tensionar a relação entre pesquisa e vida. Com estudos e práticas da Cartografia e da Pesquisa Intervenção, em especial as Pistas do Método de Cartografia (PASSOS, KASTRUP, ESCÓSSIA, 2010), percebendo que não há um método a ser aplicado, pois que as questões pesquisadas surgem durante a pesquisa, na relação com o bairro e os moradores, bem como a experiência do pesquisador e sua relação com a pesquisa. Durante agosto de 2017 e junho de 2018 foram realizadas sessões do cineclube Ser Ver Luz (envolvendo a escolha dos temas, curadoria dos filmes, caminhadas de divulgação, etc.), a VI Mostra AudioVisual do Titanzinho, na qual foi possível homenagear cineastas do próprio bairro exibindo filmes cartografados durante a pesquisa, colaborar na

realização do “Sarau Farol Rock” e de outros saraus realizados em aliança com coletivos que atuam na associação - Servilost, Dito e Feito, Éter na Mente, além de confirmar o interesse do bairro na criação de cineclubes, com destaque para a formação do cineclube do Núcleo de Base do Serviluz, aonde foram realizadas oficinas, curadorias e sessões de filmes para pensar cinemas com o bairro, entendendo as várias formas de organização de um cineclube e distinguindo as singularidades de cada um. A pesquisa tem como apoio a bolsa PIBIC de iniciação científica, possibilitada pela Universidade Federal do Ceará.

Clique neste ícone para acessar e/ou baixar o PDF: 

“CINE SER VER LUZ E FAROL OCUPAÇÕES: EXPERIÊNCIAS DE CRIAÇÃO E PRODUÇÃO ARTÍSTICA COM O BAIRRO SERVILUZ” - Emilia Schramm Duarte e Deisimer Gorczevski 

Resumo: A pesquisa Coletivo AudioVisual do Titanzinho – Cine Ser Ver Luz analisou intervenções visuais e audiovisuais e problematizou o ato de intervir e inventar encontros entre moradores, artistas, estudantes e pesquisadores com o bairro Serviluz, em Fortaleza. Uma das estratégias para dar conta do exercício teórico-metodológico foi operada com as contribuições da Cartografia e da Pesquisa Intervenção. A pesquisa aconteceu no Laboratório Artes e Micropolíticas Urbanas (LAMUR), vinculado ao Programa de Pós-Graduação em Artes na Universidade Federal do Ceará (UFC), entre 2014 e 2017. No período de 2016 e 2017, interessou-nos cartografar processos de criação coletivos, em especial, as intervenções urbanas com o Cine Ser Ver Luz, o Projeto Serviluz das Artes: EcoVisuais e, em especial, o Farol | OcupAções, inspirado nas intervenções realizadas no Farol do Mucuripe, patrimônio histórico que enfrenta o descaso do poder público, trazendo a tona questões | problemas que sugerem o urbano como plano de intervenções e a arte como política que resiste à captura do sensível. Entre as intervenções urbanas e audiovisuais analisadas, chamou-nos atenção o envolvimento e as alianças entre o Coletivo AudioVisual do Titanzinho e o Servilost na criação e no desejo por espaços de encontro com o cinema e o audiovisual, bem como as experimentações com a arte urbana (graffiti e stencil) potencializando ações itinerantes em ruas e praças e fortalecendo laços de vizinhança entre moradores que vivenciam às constantes ameaças das políticas de remoção e requalificação da região litorânea, em Fortaleza.

Clique neste ícone para acessar e/ou baixar o PDF: 

“COLETIVO AUDIOVISUAL DO TITANZINHO – CINE SER VER LUZ” - Ana Paula Veras Camurca Vieira e Deisimer Gorczevski 

Resumo: A pesquisa acompanha o processo de criação do Cine Ser Ver Luz e as intervenções sonoras, visuais e audiovisuais realizadas nas ruas, praças e no farol, entre outros espaços comuns, no bairro Serviluz, na perspectiva de ampliar às escutas e análises de como os moradores vivem, convivem e resistem às constantes ameaças das políticas de remoção, na cidade de Fortaleza. Na pesquisa-intervencão, propomos cartografar os processos de criação e ao que pode a arte como resistência, entendendo resistir como ato de criação de mundos. Com as ações do Cine o Coletivo AudioVisual vem realizando sessões itinerantes com diferentes temáticas, entre elas - Memória, Direito à Cidade, MarIntimidade, Arte Urbana, Juventudes, Afeto e Amizade 2013 que orientam a curadoria para a composição da programação trazendo desde produções do cinema clássico e internacional às locais e contemporâneas. O Cineclube e as intervenções urbanas e audiovisuais que acontecem nos encontros com os moradores em percursos com o Carrim das Artes por ruas, praças e na região do Farol também implicam avançar na problematização da relação entre a experiência estética e política na produção do conhecimento e nos modos de inventar distintas realidades. Nessa perspectiva, criamos uma intervenção, na Praia das Pedrinhas, espaço com pequenas piscinas naturais, ameaçado por políticas de revitalização que promovem a especulação imobiliária. A intervenção mapeou imagens lúdicas, de lazer e de afeto que os moradores vivenciam com o mar contrastadas com a campanha publicitária do principal parque aquático, no Ceará. Nas narrativas visuais e sonoras que foram cartografadas ao acompanharmos o movimento das ruas, dos becos, das praças, no contato com o mar e no farol, o bairro Serviluz é afirmado, por seus moradores, como espaço-tempo de encontro e partilha que oferece a força de quem resiste, diariamente, inventando outros modos de vida, onde o sentido ético-estético encontre um lugar preponderante.

Clique neste ícone para acessar e/ou baixar o PDF: 

“Centelhas poéticas sobre um cinema entre pessoas, praias e embarcações”- Nataska Conrado Veiga Braga e Deisimer Gorczevski Revista Encontros Universitários da UFC, Fortaleza, v. 1, n. 1, 2016. (Encontro de Pesquisa e Pós-Graduação, 9). 
 

Resumo: Pessoas caminham pelas ruas na direção da praia. Pisam na areia. Demoram­-se diante de um pequeno barco a vela estacionado e iluminado por uma luz que sai de uma caixinha que está logo à frente da embarcação. As pessoas trazem consigo cadeiras, banquinhos, panos, que assim como troncos de coqueiro, montinhos de areia ou pedaços de arrecife, são objetos ou lugares para sentar.

Por trás do barco, outros barcos, o mar, o rio, a lagoa, o mato, algumas casinhas, cachorros, pessoas ou o que mais fizer daquele lugar um lugar. Outras pessoas curiosas e surpresas tocam a luz que caminha até a vela e transpassa o pano, que agora tem um avesso luminoso.Por causa disso, inclusive, algumas pessoas escolhem sentar do lado oposto àquele onde a luz se projeta. O vento infla a vela de pano, dando a ela uma forma abaulada, a mesma forma do teto – o céu. Ar em movimento que refresca é suporte para a tela crua. Sons saem de algumas caixas pretas. E imagens movimentam a embarcação parada – mais filmes curtos e médios que filmes longos; mais coloridos que preto e branco; mais nacionais que internacionais; daqui, dali e de acolá. Por meio de relatos de experiências vividas em Alagoas no Acenda uma Vela (2005-2013), projeto idealizado pelo cineclubista e documentarista Hermano Figueiredo e realizado pela organização cultural Ideário, reflexões acerca desse cinema como lugar de encontros, convivências e partilhas a pensar dispositivos cinematográficos, situações cinema, mas, sobretudo, presenças e sentidos do espectador junto a discussão de cinema como arte política presente em Jean-Louis Comolli e da noção de espectador emancipado trazida por Jacques Rancière, visando apontar para possíveis poéticas da espectação num cinema que se dá entre pessoas, águas, areias e embarcações.

Clique neste ícone para acessar e/ou baixar o PDF: 

 

“Escrita ProvocAções” - Jo A-mi, João Miguel Lima, Camila Chaves, Allan Alfredo, Cecí Shiki, Larissa Batalha 

Resumo: Cinco textos resultantes da oficina Escrita ProvocAções, realizada e proposta pelo LAMUR – Laboratório Artes e Micropolíticas Urbanas, da Universidade Federal do Ceará, em 2017, em que o texto foi explorado como processo de criação e pensamento poético. "Brincadeira de criança", de João Miguel Lima, e "Preciso de um cata-vento", de Ceci Shiki.

Clique neste ícone para acessar e/ou baixar o PDF: 

 

Trabalhos em eventos

 
  • RESUMOS

"Processos de criação com cinemas que inventam comunidades" - Deisimer Gorczevski. Trabalhos Aprovados. SOCINE 2021

 Resumo: Ao pensar os modos de pesquisar e fazer cinema com comunidades, evidenciam-se desafios presentes, desde a constatação da complexidade das mutações nos modos de conhecer e se relacionar com o cinema e o audiovisual, na contemporaneidade, considerando questões que rompem com as linguagens clássicas, a emergente hibridização de gêneros, na perspectiva de um pensamento transdisciplinar e seus agenciamentos em práticas coletivas e colaborativas.

“Cinema In(ter)venção com as ruas, praças e o farol, em Fortaleza” - Deisimer Gorczevski 

RESUMO EXPANDIDO: O estudo analisa as intervenções sonoras, visuais e audiovisuais que acontecem com as ruas, praças e o farol do Mucuripe, entre outros espaços comuns, no bairro Serviluz, em Fortaleza, na perspectiva de ampliar às escutas e analises de como os moradores vivem, convivem e resistem ao descaso do poder público e às constantes ameaças das políticas de remoção, em regiões de Zona Especial de Interesse Social ZEIS, na cidade de Fortaleza.

O Coletivo AudioVisual do Titanzinho (CAT), vem se constituindo no encontro com moradores| artistas |pesquisadores| estudantes realizando intervenções audiovisuais, sessõees de filmes, mostras, oficinas e debates, ou seja, um conjunto de ações que visam encontrar meios para a produção audiovisual local, entendendo-a como possibilidade de inventar outros modos de visibilizar o bairro e seus moradores, considerando a promoção da expressão artística de suas singularidades.

Entre as ações do Coletivo, destacamos a experiência com a realização das Mostras AudioVisuais do Titanzinho, que acontecem anualmente, desde 2011 e as sessões temáticas do Cine Ser Ver Luz com periodicidade mensal, desde 2014. As propostas aproximam os moradores do bairro que, a cada sessão, são convidados ao encontro com uma série de produções audiovisuais. São filmes de curta metragem escolhidos por uma curadoria formada por integrantes do Coletivo e colaboradores.

As primeiras sessões com os temas: Memória; Direito à Cidade; MarIntimidade; Afeto e Amizade; Juventudes; Arte e Intervenção Urbana; Democracia e Diversidade; Comunicação e Tecnologias; Arte e Natureza; Cinema e Audiovisual; e Interior foram realizadas, entre 2015 e 2016 e com esse processo observamos a forte participação das crianças instigando o Coletivo a propor um conjunto de sessões denominadas Peixinho, com uma programação de filmes de curta metragem, voltada ao público infantil, no final de 2017 e inicio de 2019.

A participação dos moradores, bem como o envolvimento com as Mostras Audiovisuais e as sessões do Cineclube, evidenciam a demanda e o desejo por espaços de encontro com a arte cinematográfica. Experiências de fruição que, ao proporem modos singulares de exibição audiovisual, ampliam as expressões do sensível, trazendo à tona problemas e potencialidades afirmando o lugar de moradia, os espaços de participação comunitária e a produção audiovisual como política ativa que fortalece a relação entre a experiência ética e estética na construção do conhecimento e nos modos de estar junto inventando realidades.

Além das intervenções Luzes do Farol, Vendo Mar e Farol OcupAções que espalham gestos luminosos, tornando visíveis espaços pouco conhecidos, entre eles o Farol do Mucuripe e a Praia das Pedrinhas, no Serviluz, e prédios abandonados, no Vicente Pinzón, chamou a atenção a presença do Servilost, um coletivo que faz caminho ao perder-se com a esquina de Fortaleza; um movimento que mobiliza o bairro a limpar, cuidar e ocupar o Farol do Mucuripe, patrimônio histórico em estado de abandono e descaso do poder público.

Experimentações que desacomodam e provocam deslocamentos de lugares pressupostos, trazendo à tona questões e propostas às políticas públicas e governamentais ao afirmar o exercício estético como ato político e social. 

  • TRABALHOS COMPLETOS

" Fortalezas (In)visíveis: Intervenções Urbanas e Audiovisuais" - Deisimer Gorczevski, Aline Mourão de Albuquerque, Emília Schramm Duarte. In: 3º Congresso Intersaberes em Arte, Museus e Inclusão;3º CIAMI; III Encontro Regional da ANPAP Nordeste, 2020, João Pessoa. Arte e Transmidiações - Anais do 3º Congresso Intersaberes em Arte, Museus e Inclusão; III Encontro Regional da ANPAP Nordeste e 8ª Bienal Internacional de Arte Postal, 2020.

Resumo: 
O estudo problematiza a relação entre arte e bairro, cinema e cidade como desdobramento de experiências com intervenções audiovisuais e urbanas, em Fortaleza, Ceará. O trabalho propõem tornar visíveis singularidades do viver e conviver com os espaços esquecidos da cidade, suas questões e problemas a serem debatidos, afirmando o urbano como plano de intervenções e a arte de bairro como política de resistência. A escolha da Cartografia e a relação com a Pesquisa-Intervenção como métodos de fazer-saber coletivo e transdisciplinar convidam à atitude de pesquisar com o bairro, com os moradores, com as associações, com o Cine Ser Ver Luz. Pensar uma arte de bairro, ou ainda, um cinema que inventa o bairro, nos remete às proposições de Hélio Oiticica: arte ambiental, mundo museu, crelazer. Implica pensarmos a arte como atitude, como também sugere o artista Cildo Meireles. Quando questionado sobre como seriam os museus no futuro, Meireles (2009) respondeu que não sabia ao certo, mas que, talvez, os museus viriam a ser o próprio modo de existência das pessoas, seus hábitos, seus modos de conviver. Nesse estudo, apresentamos as intervenções audiovisuais Luzes do Farol e Farol l OcupAções realizadas na pesquisa Cinema In(ter)venção: Cine Ser Ver Luz uma aliança entre o Coletivo AudioVisual, a Associação de Moradores do Titanzinho, no bairro Serviluz e o Laboratório Artes e Micropolíticas Urbanas (LAMUR/CNPq) da Universidade Federal do Ceará. A ideia de uma estetização da vida, de uma ritualização dos gestos, a ideia de atribuir sentido às práticas cotidianas, coaduna-se com a de arte de bairro ao aproximar a dimensão estética da arte dos gestos cotidianos. Esse movimento é prenhe de possibilidades inventivas e transformadoras, é um movimento que aproxima arte e vida, é, portanto, um comprometimento estético e social com o entorno de onde se habita. É fazer micropolítica.
Palavras-chave: Artes; Cidade; Intervenções Audiovisuais


                                                             Clique neste ícone para acessar e baixar o PDF:



                                  


"FORTALEZAS (IN)VISÍVEIS: INTERVENÇÕES URBANAS E AUDIOVISUAIS "

Deisimer Gorczevski, Aline Mourão de Albuquerque, Emília Schramm Duarte são autoras do artigo "FORTALEZAS (IN)VISÍVEIS: INTERVENÇÕES URBANAS E AUDIOVISUAIS ", apresentado no GT 02 - Múltiplos lugares da arte e do patrimônio - Drª. Luciana Costa (UFPB) e Drª. Maria Betânia e Silva (UFPE). 3 CIAMI e III Encontro Regional da ANPAP NE. 2020.

 


 

 

“Cinemas em vento, ao ver, inventar”- Nataska Conrado Veiga Braga. Encontro da Associação Nacional de Pesquisadores em Artes Plásticas, 26º, 2017, Campinas. Anais do 26o Encontro da Anpap. Campinas: Pontifícia Universidade Católica de Campinas, 2017. p.3229-3242.
 

Resumo: Numa deriva que não cessa, que não se rende à fixidez nem à apoteose, tentamos nesta escrita apontar para o cinema como múltiplo, adentrando na escuridão sem dar as costas aos corpos que se bronzeiam com as luzes dos filmes. Como numa conversa, vejamo-nos escrevendo e vendo juntos, percebendo que inventamos cinemas e nossos modos de vê-lo se, quem sabe, também percebendo que, com isso, também inventamos modos de juntos vivermos. Com o que vem conosco, com as afetividades dos encontros e com o que provocam em nós Humberto Maturana (1999; 2008), Hermano Figueiredo e alguns outros, pensamentos intermitentes sobre ver, sobre espectadores e cineclubes.

Palavras-chaves: Cinemas; modos de ver; afetividades; invenções; cineclubes

Clique neste ícone para acessar e/ou baixar o PDF: 

"A estética da farinhada no Ceará: um devir-fílmico 'Debaixo do Barro do Chão' " - Francisco Harley de Oliveira Almeida e Deisimer Gorczevski

Resumo: 
A pesquisa propõe tatear com os rastros sonoros e imagéticos que perpassam a oralidade de mulheres agricultoras, em comunidades rurais, no sertão cearense, aproximando-se de saberes e práticas ancestrais indígenas, tramando percursos, marcando potencialidades presentes nas comunidades de Carapebas Cruxati, em Itapipoca, e de Uruá, em Barreira, no Ceará. Nesse estudo, que envolve a realização audiovisual, a metodologia aponta para um processo de criação com a cartografia esquizoanalítica, conforme a perspectiva da filosofia da diferença de Gilles Deleuze e Félix Guattari (1995) e o conceito de devir-fílmico (ALMEIDA, 2019), o qual consiste numa expressão audiovisual que transversaliza ciência, filosofia e arte. O devir-fílmico assinala as intensidades vividas, captando os efeitos das forças humanas e inumanas. Dessa maneira, transgride o território identitário, quando a experimentação imagética perpassa as fronteiras e as linhas de existência, resistentes nas margens que assinalam modos de vida. Um devir que gera um composto por blocos sonoros, blocos de cores, repouso em imagens que se borram e se mesclam, tensionando a escapar do humano e de seus traços antropomórficos. Pensando no sentido rizomático e não hierárquica no que tange aos territórios de múltiplas entradas e saídas. Experimentando com a farinhada em um traço imanente entre comunidades-territórios-fílmicos em que o pensamento ecosófico transversaliza os modos de vida das raspadeiras de mandioca e são capazes de produzir uma ligadura nos processos que definem um rosto multidimensional, produzindo revides ao modo capitalístico que insiste em espalhar rastros de morte por meio da dominação, da segregação e da eliminação. Experimentação como eco-potência de uma dimensão estética que corta e se conecta a uma dimensão ética e política, produzindo aberturas para novos universos referenciais.

Clique neste ícone para acessar e/ou baixar o PDF: 

"Imagens de si e de multipliCidades" - Rafael Carneiro Brasileiro e Deisimer Gorczevski 

Resumo: Nesse estudo, acompanhamos o processo de criação e realização de oficinas de cineclube e fotografia contemporânea, em escolas municipais e organizações comunitárias, no Serviluz, em Fortaleza. O trabalho apresenta um recorte da pesquisa Cinema In(ter)venção que acompanha processos inventivos entre o pesquisar e o intervir, na realização de Mostras AudioVisuais, sessões do Cine Ser Ver Luz e oficinas, entendendo as intervenções artísticas como possibilidades de produção de subjetividade e ações de resistência, considerando o contexto das políticas de remoção, em uma Zona Especial de Interesse Social (ZEIS). Ao cartografar e analisar as experiências com cinema foi possível mapear os cineclubes, organizados pelos próprios estudantes, afirmando o desejo de inventar imagens de si e do bairro.

Palavras-chaves: Oficinas, Cinema com o Bairro. Intervenção Artística. Políticas de Resistência.

Clique neste ícone para acessar e/ou baixar o PDF: 

“O que podem as in(ter)venções audiovisuais das juventudes? Mobilizar afetos, fazeres e saberes científicos-comunitários” - Deisimer Gorczevski, Maria Fabíola Gomes, Sabrina Késsia de Araújo Soares, Maria Evilene de Sousa Abreu 

 

Resumo: Ao propor acompanhar as in(ter)venções audiovisuais das juventudes, em territórios de criação e resistência, o estudo sugere um olhar atento aos encontros e modos de partilhar experiências acadêmicas e comunitárias. A cartografia e seus desdobramentos teóricometodológicos – produção de conhecimento-subjetividade em rodas de conversa e mostra audiovisual – provocam implicação constante, desde a escolha do Titanzinho, território geográfico e afetivo, na cidade de Fortaleza. Ao mapear, analisar e fazer circular produções audiovisuais, que tratam de visibilizar modos de ser e habitar a comunidade e a universidade constata-se a presença de intercessores mobilizados e mobilizadores de afetos, fazeres e saberes artísticos e comunicacionais incidindo e fazendo emergir expressões do sensível e práticas micropolíticas.

Palavras-chaves: juventudes; audiovisual; amizade; comunidade; universidade.

Clique neste ícone para acessar e/ou baixar o PDF: 

“Intervir e inventar encontros das Juventudes com imagens de si e do mundo” - Deisimer Gorczevski, Maria Fabíola Gomes, Sabrina Késsia de Araújo Soares

Resumo: O processo de criação, produção e realização de encontros, rodas de conversa e mostras audiovisuais constitui matéria-prima na analise das in(ter)venções das juventudes que atuam em grupos de pesquisa, coletivos juvenis e organizações culturais e comunitárias, em Fortaleza, no nordeste do Brasil. O problema a que a pesquisa se dedica é o de analisar o que podem as in(ter)venções audiovisuais das juventudes, em se tratando de processos de singularização e a constituição de coletivos mobilizados por experiências universitárias, comunitárias, comunicacionais e artísticas. Como conceitos perturbadores, nesse trabalho, enfatizamos a produção de subjetividade, amizade e a cartografia nos estudos de Gilles Deleuze e Felix Guattari. Ao criar, realizar e inventar modos de fazer circular produções audiovisuais, o jovem produz a si mesmo incidindo e fazendo emergir composições singulares e coletivas. Tais constatações foram cartografadas considerando, prioritariamente, as experiências de compor, produzir e realizar encontros audiovisuais. Ao longo da pesquisa, constata-se a relevância de alguns intercessores que operam para mobilizar experiências e alianças entre e com jovens. Entre os intercessores, encontramos os laços tanto de parentesco como de amizade. Os jovens vivem a experiência de apoiar as ideias uns dos outros e trabalhar para que elas aconteçam ao mesmo tempo em que tentam manter alianças antigas com outras instituições para efetivar a vivência dessas ideias, buscam também novas alianças que visam agregar mais jovens e amigos aos movimentos comunitários e culturais, de forma autêntica e inovadora. Essas experiências podem ser observadas no processo de criação e realização da Mostra Audiovisual do Titanzinho. A Mostra se apresenta como dispositivo capaz de fazer emergir peculiaridades entre juventudes, instituições e tecnologias. Nos vídeos exibidos, são essas coemergências que tomam a tela e a rua onde a Mostra acontece. Imagens e sonoridades mobilizadas por escolhas éticas, estéticas e afetivas que exibem o olhar atento, a estima e amizade por este território geográfico e existencial, enunciando visibilidades e dizibilidades dos modos de viver e conviver no Titanzinho. Tais experiências suscitam questões e afirmam esses intercessores e suas relações com um conjunto de argumentos para seguir problematizando os modos de ver, ser visto e do rever-se nas telas e ruas de nossas cidades e os modos de inventar e habitar a contemporaneidade. A pesquisa In(ter)venções audio-visuais das juventudes em Fortaleza e Porto Alegre conta com bolsa PIBIC da Fundação Cearense de Apoio ao Desenvolvimento Científico e Tecnológico (FUNCAP) e realizada nos Grupos de Pesquisa Relação da Infância, Juventudes e Mídia- Grim, Mídia, Política e Cultura, ambos na UFC, em Fortaleza, Educare – Educação e Micropolíticas Juvenis, na UFRGS, Ong Camp e o Fórum Educação da Restinga e Extremo Sul -Feres, em Porto Alegre. 

Palavras-chaves: juventudes; audiovisual; amizade.

Clique neste ícone para acessar e/ou baixar o PDF: 

"Fortalezas Sensíveis: o virtual no processo de escritura" - Júlia Moreira Ribeiro e Deisimer Gorczevski 

Resumo: A pesquisa Fortalezas Sensíveis: Escritas com a Cidade é atravessada pela experimentação dos múltiplos viveres com a cidade e a universidade em que somos instigados a exercitar o devir-escrita: uma iniciativa política, poética e estética. Pensando em deslocamentos entre escritas e escrituras, foram propostos movimentos coletivos e individuais a partir de encontros em um ateliê de criação com os participantes do Laboratório Artes e Micropolíticas Urbanas (LAMUR|UFC) e a criação de um acervo digital. O processo de criação de um SITE|ACERVO levantou indiretamente questões de uma escrita com o virtual. Ao depararmo-nos com as tecnologias disponibilizadas na plataforma digital, surgiu o questionamento da possibilidade de ir além de uma criação funcional, na qual também pudesse operar o modo de pensar e agir coletivo e individuais do laboratório, além de sua trajetória com pesquisas, intervenções artísticas, produções, oficinas, entre outras ações. Nas experimentações com a plataforma foi se percebendo as oportunidades de criar com o dispositivo e com o projeto do site, que tinha uma finalidade e um roteiro pré-definidos, no entanto, no processo de montagem foi possível acessá-lo como um meio de e para a escritura. À essa escrita disfuncional, errática e detentora de um potencial criativo deve-se o surgimento de um SITE|ACERVO com diferentes trajetos do LAMUR como um espaço virtual rizomático, composto por imagens entre imagens, em muitos sentidos, e se inscrevem junto às pessoas e aos seus caminhos, além das histórias de outros grupos e aliados que se cruzam e dão a ver o sentido de coletivo no coletivo. Assim como na Ciranda do Gatilho (2020), somos endereçados a interagir com o movimento espiralar que a escrita com o virtual nos desafia a lidar e instigados a também criar um caminho que pode ser realizado por quem acessa o site. A pesquisa tem como apoio bolsa PIBIC de iniciação científica, possibilitada pela UFC.

Clique neste ícone para acessar e/ou baixar o PDF: 

"Fortalezas Sensíveis: Escritas com A Cidade" - Pe Pepe e Deisimer Gorczevski 

Resumo: Compondo a pesquisa Fortalezas Sensíveis: Escritas com a Cidade, que tensiona a produção de escritas e escrituras em relação direta com a construção coletiva, simbólica e afetiva da cidade, esse trabalho investiga o processo de criação e organização de um Acervo digital|Site com o Laboratório Artes e Micropolíticas Urbanas (LAMUR|UFC), como tecnologias de resistência emergentes na universidade habitam o território limite entre o panóptico instituído e a penumbra urbana. Assumindo as contradições de uma atuação que, ao mesmo tempo que busca traçar linhas de fuga e provocar estriamentos no tecido urbano, é, também, institucionalizada, compor em um site o modo de se apresentar, passando pela estranguladora necessidade de organização categórica, se torna um grande desafio. Como organizar e apresentar um corpo coletivo desobediente | indisciplinar? É possível apresentar o vivido de uma atuação sempre presentificada e micropolítica por meio de plataformas digitais? Como arranjar de maneira apresentável as diversas agências de um corpo coletivo sem produzir ruídos entre memória e potência de atuação? As experimentações com a criação do site provocam, inquietam, problematizam, tensionam o estabelecido, forçando o inusitado de novas configurações. Torna-se urgente, em meio a crescente voracidade do capital e das instituições de controle, atenuar o estado de alerta, aprimorar a esquiva da captura, e articular tangentes para não incorporar dispositivos de enrijecimento e de exploração que assombram historicamente a produção científica e a proposição de alternativas no Brasil e no mundo. A pesquisa tem como apoio bolsa PIBIC de iniciação científica, possibilitada pela Fundação Cearense de Apoio ao Desenvolvimento Científico e Tecnológico (FUNCAP).

Clique neste ícone para acessar e/ou baixar o PDF: 

 

TCCs

“PERCURSOS IMPREVISÍVEIS: UM GESTO DE CRIAÇÃO COM O ESPAÇO URBANO” - Ana Paula Vieira

RESUMO: Esse trabalho propõe uma reflexão em torno de alguns percursos traçados na cidade de Fortaleza, por meio de um gesto de criação com o espaço urbano. As ruas, os espaços públicos e os movimentos que compõem cada bairro são tomados como elementos do campo de investigação. Um dispositivo inventado faz algumas indicações que possibilitam a elaboração de textos-trajetos e a configuração de outros mapas para narrar uma cidade que se constitui ao nível do chão. Um caminho atravessado por percepções, fabulações e encontros inesperados dá lugar à dimensão da experiência. 

Palavras-chave: Cidade. Percurso. Experiência. Mapas.

Clique neste ícone para acessar e/ou baixar o PDF: 

" AUDIOVISUAIS QUE INVENTAM O BAIRRO: O SERVILUZ QUE INSISTE EM FAZER SUA HISTÓRIA" - Maria Fabiola Gomes

Resumo: Este trabalho analisa audiovisuais produzidos com os moradores do Serviluz, localizado em Fortaleza, Ceará. Moro neste bairro, onde participo da Associação dos Moradores do Titanzinho e do Coletivo AudioVisual do Titanzinho, produzindo arte e política com suas ruas, praças e o Farol do Mucuripe. Inspirada na pesquisa-intervenção e na atitude do cartógrafo, mapeei a produção audiovisual do bairro nas mostras audiovisuais e sessões do Cine Ser Ver Luz, escolhendo três vídeos: “Ibioara” (2009), “Vestígio” (2007) e “O Povo da Praia Proibida” (2011), que apresentam aspectos da constituição do bairro, modos de vida de seus moradores e a relação com o mar e a cidade. Além das análises dos vídeos, foram realizadas aproximações com os diretores, pesquisa bibliográfica e documental. Nesse processo, observo o modo como a produção audiovisual enuncia o bairro permeado pela circunstância da migração, a política de amizade e as ambiguidades na relação com a cidade. São evidências que trazem à tona as marcas e a memória de uma comunidade que insiste em fazer a sua própria história. Tanto as minhas memórias afetivas, como as do próprio bairro dentro das narrativas desses vídeos, vão conduzindo esta escrita que se propõe uma forma de olhar para a produção audiovisual comunitária como cinema potente e inovador dentro desse próprio bairro, sem esquecer que ele é também a cidade.
Palavras-chave: Serviluz. Audiovisuais. Memória. Amizade. Cidade.

Clique neste ícone para acessar e/ou baixar o PDF: 

 

Dissertações

“Ornamento aventura errante” - Aline Albuquerque

Resumo: O ornamento pode ser compreendido como a marca de um gesto, em que é possível supor a presença do trabalho manual e do pensamento, aproximando-se, portanto, do conceito de artefato, em que as qualidades estéticas e funcionais se encontram indissociáveis. A partir dessa ideia, é possível despi-lo da capa de acúmulo, excesso e frivolidade com o qual foi recoberto pela história da arte ocidental “oficial”, em nome do progresso, e conferir potência política à subjetividade de sua estética não representativa. Essa pesquisa propõe um olhar multifocal para o ornamento, como uma espécie de dispositivo capaz de agenciar a dimensão íntima do gesto criativo e as inúmeras possibilidades de dar-lhe visibilidade, especialmente com a fotografia e o espaço urbano, intervindo de modo sutil na superfície das cidades e na vida das pessoas.

“Afetos da obra de Leonilson: arte e vida, mapas e escrita” - Wilma Farias Gois 

Resumo: O estudo é um exercício de aproximações com a obra de José Leonilson (1957-1993), em especial, das escritas que pulsam de suas obras. Tais aproximações se deram a partir de visitas às exposições e ao acervo Projeto Leonilson, de revisões bibliográficas (LAGNADO, 1998; BECK, 2004; RICCIOPPO, 2010; PERIM, 2013; CASSUNDÉ, 2013; PEDROSA, 2014) e documentários (HARLEY, 1997; VIVALVI, 2003). Na compreensão do fazer em arte como pensamento e criação da vida a partir do sensível das sensações, uma orientação cartográfica se faz presente produzindo relações ente arte e vida (DELEUZE e GUATTARI 1992, 1995, 2007; KASTRUP, 2010; ROLNIK, 2014). Nesse sentido, o exercício de uma cartografia de afetos se constitui, na trama das relações entre vida, obra e conceito. O exercício cartográfico se faz a partir de bordados, de forma a costurar questões que afetam a pesquisadora ao estar em contato com as obras. Ao detectar uma escrita que compõe a obra em diferentes momentos, compreende-se a coexistência obra-artista e de como esta produz questões com a arte contemporânea e subjetividade a pensar modos singulares de existir.

Clique neste ícone para acessar e/ou baixar o PDF: 

“GAIOLA EM DECOMPOSIÇÃO: O EDIFÍCIO SÃO PEDRO E A MEMÓRIA NA CIDADE DE FORTALEZA” - Virna Benevides 

Resumo: Essa dissertação tem como objetivo refletir sobre como o estado do patrimônio público é capaz de denunciar a negligência e a omissão da memória na cidade, analisando o caso do Edifício São Pedro em Fortaleza. Para além disso, também visa construir um documento que sirva como registro à história do primeiro prédio da orla mais conhecida e de mais alto valor na cidade. Uso os contrastes possíveis que na capital alencarina são muito fortes e capazes de desmembrá-la em diversas cidades, mesmo sendo uma só. Para isso, analiso as questões patrimoniais mais fortes no Brasil e no mundo e afunilo o assunto tentando entender os motivos da construção do prédio na orla, pouco explorada na época de sua construção em 1951. Desenvolvo uma pesquisa predominantemente qualitativa, com uma revisão bibliográfica que tem a função de compreender as relações construídas com o mar durante os anos, até que adentro a história do antigo Iracema Plaza Hotel que se transformou em Edifício São Pedro, me utilizando de entrevistas em profundidade. Além disso, foi possível entender que as forças do capital imobiliário são extremamente mobilizadoras e ditadoras do que de fato acontece no meio urbano. 

Palavras-chave: Edifício São Pedro. Fortaleza. Cidade. Patrimônio.

Clique neste ícone para acessar e/ou baixar o PDF: 

“ HISTÓRIAS DA TERRA E DO MAR: NARRATIVAS SOBRE RESISTÊNCIA NA COMUNIDADE POÇO DA DRAGA” - Bruna Luyza Forte

Resumo: “Até que os leões tenham seus próprios historiadores, as histórias de caçadas continuarão glorificando o caçador”. O antigo provérbio africano enuncia um incômodo: por que algumas histórias são legitimadas como verídicas e alcançam mais destaque do que outras, construindo representações supostamente únicas? Esta pesquisa tem como objetivo refletir sobre o processo de subalternização (SPIVAK, 2014) socioeconômica e epistêmica da comunidade centenária Poço da Draga, localizada na orla marítima da cidade de Fortaleza (CE), destacando os impactos dessa desigualdade sobre o território. Área de baixa renda suscetível de recuperação urbanística e regularização fundiária, a comunidade está invisibilizada entre equipamentos culturais e comércios luxuosos na Praia de Iracema, sofrendo constantes ameaças de remoção pelo poder público e marginalização por demais atores sociais. Em diálogo com o método cartográfico, pesquiso narrativas sobre direito à cidade (HARVEY, 2012; ROLNIK, 2015) elaboradas pelas organizações de moradores Movimento ProPoço e ONG Velaumar acerca da própria localidade, ampliando um debate teórico sobre as teias de influência e poderes na produção do espaço urbano, histórias orais (PORTELLI, 2016), saberes locais (MIGNOLO, 2003) e pensamento fronteiriço (id.) a partir de uma perspectiva descolonial. Abordo, por fim, a contribuição dessa gramática de resistência concebida no Poço da Draga para o desenvolvimento de um planejamento urbano humano (MIRAFTAB, 2016), ou seja, protagonizado também por grupos socioeconomicamente vulneráveis. 

Palavras-chave: Descolonialidade; Direito à Cidade; Fortaleza; Narrativas; Poço da Draga; Subalternidade. 

Clique neste ícone para acessar e/ou baixar o PDF: 

“Um passeio enativo com Acidum: arte urbana em Fortaleza e a criação de ficções pela cidade” - Carla Galvão

Resumo: Este estudo trata da relação da arte com a cidade, pensando a arte contemporânea como possibilidade de criação de outras cidades ao provocar diferentes modos de olhar, sentir, imaginar e inventar o espaço-tempo urbano. Interessa pesquisar as intervenções artísticas do coletivo Acidum, em Fortaleza, observando como a arte urbana pode interferir nos modos de ser, de pensar e de viver, criando ficções, modificando o espaço. A pesquisa acontece como um exercício, considerando as contribuições teórico-metodológicas dos estudos de Francisco Varela (1991,2001), em especial, a Abordagem Enativa, que compreende a cognição como a invenção de realidades, opondo-se à noção representativa de uma realidade pré-definida a ser revelada pelo pesquisador. O pesquisar emerge no observar, acompanhando algumas intervenções do coletivo, atualizadas nas anotações do diário de bordo, analisando vídeos e fotografias e realizando “entrevistas enativas”, proposição apresentada nos estudos de Letícia Maria Renault de Barros (2010). O que faz com que algumas imagens produzam inquietação e outras não? Como as intervenções do Acidum afetam os modos de transitar e de olhar a cidade? No percurso da pesquisa, alguns conceitos colaboraram com as análises, em especial, Partilha do Sensível e Ficções, apresentados por Jacques Rancière (2005; 2010). Nessa perspectiva, enfatizo a relação entre arte e política trazendo também contribuições dos estudos de Giorgio Agamben, Hannah Arendt, Chantal Mouffe, Didi-Huberman e Gilles Deleuze. A arte do Acidum pode afetar a cidade à medida que produz imagens que provocam deslocamentos nos modos de olhar daqueles que caminham e as observam. A arte urbana pode problematizar criativamente o cotidiano, abrindo caminhos para a invenção de outras realidades. Constituindo resistências moleculares que florescem em meio à solidez dos preconceitos e das concepções endurecidas. Não seria essa uma função da arte, mas uma potência

Clique neste ícone para acessar e/ou baixar o PDF: 

“ OLHARES SUSPENSOS: DESENHO PARTILHADO COM JOVENS SKATISTAS E SEUS PERCURSOS ERRANTES EM FORTALEZA” - Raisa Cristina 

Resumo: Esta pesquisa caminha em primeira pessoa, a partir de reflexões com o desenhar disparadas por memórias de vida e o desenhar de forma compartilhada, exercício que desenvolvo mais recentemente. O convite para o desenho a dois possibilita o encontro com jovens skatistas em Fortaleza e a criação de uma série de mapas-retratos, inspirados em seus percursos errantes pela cidade. Esses mapas-retratos consistem em desenhos que acontecem em duas camadas que se sobrepõem: uma é o mapa de percursos do jovem sobre o skate, outra é o retrato desse jovem. Faço uma camada e a outra é feita por aquele que convido a desenhar comigo. No processo de produção dos desenhos e de escrita, reinvento a relação com a cidade à procura desses jovens e na companhia deles. Sou levada a pensar na intimidade com o desenho e nas porções do desenho que escapam; começo a refletir sobre o fazer cartográfico e o conversar (MATURANA, 1988) como possibilidades de operar na pesquisa em que desejo me envolver com o outro - aquele que não conheço e de quem quero me aproximar -, assim como sinalizo um interesse acerca dos usos do mapa que subvertem a geografia tradicional. Suspeitando que a errância (JACQUES, 2012) desses corpos juvenis em ação pela cidade configure outros modos de sentir e praticar o espaço urbano, reflito acerca do poder dos encontros que reverbera em alterações na linha, no gesto, na composição, no movimento e também no jogo de olhares, narrativas e silêncios que se instaura no contexto de nossas relações.

Clique neste ícone para acessar e/ou baixar o PDF: 

 

Produções artísticas

EM CONSTRUÇÃO :)

under-construction.png
  • 1597748
  • facebook_logo_icon_147291